GALANDUM revitalizam danças

Ter, 09/08/2005 - 16:44


Revitalizar os tradicionais arraiais populares, que se realizavam até à década de 50, é um dos objectivos da Galandum Galandaina – Associação Cultural.

Para manter estas tradições, realizou-se uma espécie de curso de formação para “dançadores”, com a finalidade de incutir “este espírito” de animar os finais de tarde ou as noites de verão.
Muitos dos presentes nunca tiveram contacto com instrumentos como a gaita-de-foles, caixa e bombo ou o som do realejo. Este ano, foram mais de duas centenas de jovens, com uma média de idades abaixo dos trinta anos, que se envolveram nesta acção que durou quatro dias. A ideia é fazer com que esta forma de cultura tradicional regresse aos velhos terreiros das localidades da raia trasmontana.
Segundo Paulo Meirinhos, um dos mentores da iniciativa, a juventude presente mostrava ideais diferentes daqueles que se viviam, há poucos anos.

Centros urbanos aderem

“O convívio destes jovens, na sua maioria vindos dos grandes centros urbanos, deixou a marca de que é possível um convívio e a animação com pessoas de diferentes mentalidades”, salientou o organizador.
Os participantes confirmam. “Este tipo de programa cultural é uma forma que começa a marcar as férias de cada um. Para o próximo ano voltarei”, disse Paulo Alves ao Jornal NORDESTE, um dos jovens que veio da cidade do Porto.
Durante um dos arrais realizados em pleno centro histórico da cidade de Miranda do Douro, muitos foram os que, com o passo trocado ou dançando a preceito, não deixaram de pôr em prática a matéria dada, dançando com vigor e a preceito.
Os bailes ou arraiais tradicionais, que muitas vezes começavam de forma espontânea, foram-se perdendo com a introdução nas festas dos conjuntos e grupos musicais. Agora, outras gerações trabalham pela revitalização destes usos e costumes.