Cidadãos que nos honram

Ter, 30/10/2018 - 10:48


Um jornal com publicação contínua durante 25 anos constitui motivo de satisfação, mas publicá-lo é somente o cumprimento de um compromisso com os assinantes, os leitores e os cidadãos do distrito, num país com quase nove séculos e num mundo, que continua a fascinar-nos mas também a deixar-nos tolhidos de espanto e perplexidade.

A publicação é, principalmente, uma forma de participação cívica, um espaço de reflexão partilhada, uma forma de fornecer informação útil e necessária sobre decisões e projectos para concitar solidariedades e dedicação às causas de todos e de cada um.

Entendeu-se que a celebração do aniversário do jornal poderia servir para propor ao público a consideração do mérito de personalidades e entidades que, enraizadas nesta terra, têm contribuído para o desenvolvimento regional nas suas actividades políticas e profissionais, mas também prestigiam a região no país e no mundo.

Naturalmente é o momento para homenagear o fundador, jornalista de muitas lutas pela dignidade do Nordeste Transmontano, pensador profícuo da condição humana e notável criador de textos que são exemplo do convívio sem preconceitos entre o jornalismo e a literatura.

Outra distinção especialmente gratificante é a atribuída à figura notável do transmontano, político e cientista que é Adriano Moreira, referência de verticalidade, coragem e cidadania para os transmontanos, os portugueses e para todas as pessoas de bem deste nosso mundo.

Doze foram as outras personalidades eleitas: Jorge Nunes, pelo seu percurso de cidadão dedicado à causa pública e ao trabalho em prol do desenvolvimento do distrito; Sobrinho Teixeira, que conduziu os destinos do IPB de forma notável, consolidando o prestígio internacional da instituição e o reconhecimento do seu papel na investigação científica; a pintora Graça Morais, original criadora, que manteve ligação sólida com as origens, sempre presentes numa pintura que continua a surpreender; Costa Andrade, presidente do Tribunal Constitucional, prestigiado professor de Direito, exemplo vivo do que se pode esperar dos bragançanos, apesar do isolamento e do abandono secular; José Rentes de Carvalho, escritor que tem semeado por cá, pela Europa e pelo mundo, o génio literário; o grupo Galandum Galundaina, que tem levado a música da região a todos os continentes; Eurico Carrapatoso, compositor erudito; Celmira Macedo, empreendedora social, expressão da solidariedade para um mundo mais igualitário; Marco Ferreira, que atingiu patamares inéditos no futebol de alto nível; os vinhos “Valle Pradinhos” que têm contribuído para o reconhecimento das potencialidades da região; o restaurante “Solar Bragançano”, referência nacional e mundial da gastronomia regional e a tanoaria “J. M. Gonçalves”, exemplo de coragem, mas principalmente da qualidade que é possível atingir num território que sofre os efeitos da omissão dos poderes distraídos.

Esperemos que as distinções sejam entendidas como estímulos para que outros acreditem que o futuro da nossa terra continua a ser possível.